Diversidade, sim. Porque um mundo de iguais é chato e pobre de ideias. — Beia Carvalho — Palestras

Quer ficar por dentro do futuro? Fácil. Deixe seu email e receba os super artigos da Futurista Beia Carvalho 😉

 
19 de junho de 2019

Um mundo de iguais é chato e pobre de ideias.

E eu quero viver e trabalhar num mundo abundante de ideias! E você?

Todo mundo, e quero dizer todo ser humano vivo ou morto, que ficou atraído por outra pessoa (animal ou objeto), sabe que esse magnetismo nada tem a ver com altura, peso, sexo, gênero, idade, ser preto, branco, amarelo ou vermelho, com países, religião, etnias, partido político, estágio social e cultural, preferências culinárias, nível educacional.

Antes que me joguem pedra, não estou dizendo aqui, que todo mundo é ou será atraído por seu oposto ou pelo “exótico”, e muito menos que essa atração será desenvolvida e evoluída para uma relação entre pessoas.

Quero falar daquele primeiro momento, aquele instante antes de tudo, a priori, intuitivo. Aquele que te paralisa, ou te deixa frenético, que te emudece ou destrava a tagarelice como um meio de disfarçar o magnetismo evidente de seu estado contemplativo. Aquele que te deixa com um sorriso bobo nos lábios, que não é riso, nem gargalhada, nem sorriso amarelo. Que não te deixa dormir. Que te faz transpirar, que te deixa de cabeça quente, com o corpo tremelicando, que te dá uma fome danada ou te deixa jejuando por dias, se satisfazendo apenas de  bebericar suas palavras, achando graça, pertinência, inteligência, leveza, sensualidade, beleza, em tudo que esse outro que nos atrai, faz.

Dizem que é a tal elevação nos níveis de dopamina em nosso cérebro, também chamado de “hormônio do prazer“, do amor, do sexo, da felicidade. (você pode me ajudar e descrever outras sensações para enriquecer o prazer dessa leitura).

O ponto aqui é que se você já se sentiu atraído, você sentiu alguma dessas incríveis e incontroláveis sensações. E quem diz que não, ou nunca se sentiu atraído ou não está sendo 100% honesto consigo mesmo.

Por um momento mágico (podemos estar falando de minutos, dias ou meses), esses efeitos profundos são ainda mais gostosos e intensos porque estão isentos de julgamentos, crivos sociais e religiosos. Eles nos aproximam do ser pelo qual estamos magnetizados. Eles nos transmitem uma sensação de prazer, de flutuação. Alguns dizem que nos sentimos assim, porque nos sentimos mais perto de cumprir a nossa missão animal de acasalar.

Muito infelizmente, muitas dessas atrações entre pessoas não evoluem para outras relações afetuosas justamente pelo assunto em questão: a aversão ao diferente institucionalizada pelos códigos sociais, culturais e religiosos. Estamos cercados consciente e inconscientemente por um verdadeiro exército nos vigiando dia e noite para que a gente não cai na tentação de se misturar. Nem pensar em namorar aquele pobre, deficiente, aquele imigrante, ignorante, aquele rico, porém preto, aquele rico, porém amarelo, aquele rico, porém gay e vai por aí.

Porque nós somos tão lindos e perfeitos, não? Tão excepcionais! Super mega bons partidos, inteligentes, altos, fortes, magros, cool, adorados, e por aí vai.

A falta de diversidade de modelos na indústria da moda. Como todas as indústrias, a moda tem que aprender como valorizar e apreciar a diversidade e beleza.

Vamos parar com isso, gente? Nós somos todos seres humanos. Tudo que você tem aí dentro de você eu também tenho. Aliás, mais de 7 bilhões têm. Se você é especial, é a cocada do pedaço, a última bolachinha do pacote, a coca gelada do deserto, somos todos. Então, vamos deixar rolar nossas atrações? Vamos? Vamos para o próximo passo que é transformar essa atração em relações de amizade, amor, sexo. Vamos construir, nutrir, fortificar ou abandonar essas relações baseadas em nossa atividade de nos relacionarmos com quem nos atraiu. E não abortá-las por conta de dogmas de nossa sociedade.

Mark Greene, autor de um livrinho chamado The Little #MeToo Book for Men diz que todo mundo está vindo, todo mundo está vindo para esta conversa.”. Eu vejo isso tão claramente, quando comparo esse com outros assuntos e palavras da moda. Diversidade e Inclusão estão revirando as coisas do avesso dentro das casas pobres e ricas, das famílias hetero e homossexuais, das  brancas e de todas as cores. As novas gerações Y e Z* não vão deixar esse assunto passar como outras gerações há milênios fizeram. Não! Não desta vez!

O assunto Diversidade e Inclusão é urgente e é difícil aqui e em todos os países do mundo. É vagaroso, mas anda pra frente. Um mundo complexo não tem mais tempo e energia para ser despendidos em discriminação, dogmas e violência. É preciso canalizar nossa força para uma socialização coletiva. Não podemos mais enterrar a nossa humanidade, chacinar as nossas atrações.

Como vamos nos equipar para a equiparação entre os humanos?

Como vamos nos equipar para a equiparação entre os humanos?
Viver num mundo de iguais é muito chato e muito pobre de ideias.

Temos que ter uma intensa intenção em construir um mundo que acolha a diversidade.

Num mundo complexo, a diversidade tem papel crucial na solução de problemas. Acolha a diversidade pelos motivos que você preferir: humanitários, sociais, políticos, culturais, econômicos, fraternais, sexuais.

Se liga! Pra inovar, você precisa acolher a diversidade.

“Não limitamos nossos objetivos por país, cor ou credo. Vamos nos desafiar a nos tornarmos uma força aglutinadora, principalmente naqueles momentos quando as nossas emoções brutas nos levam a tentações contrárias.” – Bill McDermott, CEO da SAP. Eu gosto muito dessa dica do Bill, quando ele fala que precisamos nos conhecer e saber que as nossas emoções brutas nos levam a tentações contrárias.

Não é nada fácil acolher a diversidade e lutar pela inclusão. Mas tá na hora da gente desenvolver a nossa INTELIGÊNCIA SOCIAL.

E entender que um mundo de iguais além de ser muito chato, é muito pobre de ideias.

E eu quero viver e trabalhar num mundo abundante de ideias! E você?

O consumidor moderno é cada vez mais diverso
Sem a desigualdade de gêneros, US$ 28 trilhões poderiam se adicionados ao PIB americano até 2025.

NOTAS:

Gosto muito desse artigo do Filipe Roloff, LGBT Diversity leader, na SAP:
Empresas que aceitam a diversidade lucram mais:
https://gauchazh.clicrbs.com.br/comportamento/noticia/2018/02/empresas-que-aceitam-a-diversidade-lucram-mais-diz-gaucho-que-e-referencia-lgbt-no-mundo-cjdouk0ed01wa01n3gvk18el2.html

Geração Y, nascida entre 1981-1996, com idades em 2019, entre 23 e 38 anos
Geração Z, nascida entre 1997-2009, com idades em 2019, entre 10 e 22 anos

How Gender Diversity Enhances the Bottom Line: 
https://www.visualcapitalist.com/gender-diversity-bottom-line/

#beiacarvalho #palestrante #conferencista #palestrantebeiacavalho #palestrasdabeia #beiacavalhofuturista #futuristabeiacavalho #educação #inovação #futuro #futurar #futurista #inspiradora #influencer #gerações #novaera #bestbrazilianspeaker #evento2019 #TEDx #longevidade #intensaintenção #intenção #diversidade #inclusão #prosperidade #produtividade #geraçãoY #geraçãoZ #novasfamilias #mundocomplexo #metoo #betterman